livroseflores@outlook.com.br Image Map

Horas decisivas - Michael J. Tougias e Casey Sherman




“Você tem que ir, mas não tem que voltar.” O lema não oficial da Guarda Costeira martelava na cabeça de Bernie Webber depois de ter sido convocado para resgatar os tripulantes de um petroleiro que se rompera ao meio, numa das mais aterrorizantes tempestades de inverno da costa norte-americana. As chances de sobrevivência dele e dos três outros jovens que o acompanhariam na missão eram mínimas. Nessa mesma noite, um segundo petroleiro também se partira ao meio a poucos quilômetros do primeiro, e outra equipe de resgate estava em busca dos sobreviventes da outra embarcação. Aquele 18 de fevereiro de 1952 ficaria para sempre na memória de todos os envolvidos. Horas decisivas é o resultado da extensa pesquisa de dois autores que uniram forças para escrever sobre um dos resgates marítimos mais extraordinários da história. Quase sessenta anos depois daquela noite fatídica, o relato ainda tira o fôlego dos leitores, além de ter inspirado uma superprodução da Disney estrelada por Chris Pine.


Horas decisivas é um livro que retrata a real história dos dois mais icônicos resgates realizados pela Guarda Costeira dos EUA, no ano de 1952, precisamente em 18 de fevereiro, durante uma tempestade Nor’easter do solstício de inverno que, por conta da sua violência e poder, ocasionou prejuízos e mortes tanto em terra quanto no mar. O resgate em questão era dos tripulantes de dois petroleiros, o Pendleton e o Fort Mercer, que foram pegos pela tempestade e tiveram seus cascos partidos ao meio, de forma que os resgates foram divididos em duas proas e duas popas em meio a violência da tempestade.

O que tornou tudo mais impactante foi que o maior resgate foi realizado numa simples lancha GC36500, um barco da Guarda Costeira de 36 pés, comandada pelo contramestre Bernie Webber e tripulada por mais 3 homens com o mesmo senso de honra e bravura que saíram de Chatham, passaram pelos bancos de areia traiçoeiros e seguiram em alto mar sem bússola nem qualquer outro meio de localização de si mesmos ou do alvo de seu resgate.

O lema oficial da Guarda Costeira é Semper Paratus, sempre pronto, contudo o lema que mais significou nesse dia para todos os oficiais envolvidos diretamente no resgate foi o não oficial: Você tem que ir, mas não tem que voltar.


A história é incrível! Eu não consegui parar de ler até terminar o livro e em alguns momentos parecia que estava vendo os acontecimentos, de tão bem contados que são. Tougias e Sherman souberam escrever a história de uma forma envolvente e como fizeram um trabalho maravilhoso de pesquisa, deixou tudo muito real.

No livro tanto o resgate das proas e popas de ambos os navios têm sua importância e são igualmente retratados. O livro divide-se em 3 partes, sendo a primeira a mais angustiante, pois mostra o momento em que os navios se partem e como os resgates são iniciados, mostrando o ponto de vista da tripulação dos petroleiros e dos barcos de salvamento.

E o epílogo mostrando o reencontro e o apêndice com a situação atual dos envolvidos no resgate, seja como membro da Guarda Costeira, seja como resgatado foi fantástica e tornou tudo ainda mais real.

Maravilhoso e super recomendo!!!

“Fazia muito frio [...] havia neve, granizo e ventos uivantes... Dois grandes petroleiros apareceram em cena – o ss Fort Mercer e o ss Pendleton. A quarenta milhas de distância um do outro, ambos encontraram toda a força e o horror da tempestade [...] Os sobreviventes ficaram presos em cada parte [...] um total de 84 homens semicongelados cujas chances de sobrevivência pareciam impossíveis.”

“Esses 21 homens enfrentaram quatro operações de resgate diferentes. Cada operação apresentava problemas específicos. Mas cada um encarou os mesmos perigos de cascos arremessados como rolhas nas altas ondas. Estes homens cumpriram seu dever encharcados de água gelada, sem comer por horas [...] e com a morte cavalgando cada onda.”




Um pequeno desabafo sobre o filme da Disney:

Assim que terminei de ler procurei o filme em questão e o aluguei. Assisti e me arrependi amargamente (para variar). Conseguiram transformar algo tão especial em um filme sem muita emoção e com um romance nada a ver.

A Mirian (esposa do Bernie Webber no livro e namorada dele no filme) quase não aparece no livro, ela está acamada em casa com uma forte gripe e o Webber volta e meia se pergunta como ela estará e se ele voltará para ela. No filme ela aparece e mais do que deveria ser necessário. Odiei a Mirian do filme, mas não conheço quase nada da Mirian do livro.

O filme foca quase que exclusivamente no resgate da popa do Pendleton e só sabemos que está acontecendo um outro resgate no Fort Mercer por alguns áudios que ouvimos no rádio a bordo da lancha GC36500.

E o único resgate que eles resolveram enfocar (tá bom admito que seria muito complicado e custoso mostrar todos os resgates), eles simplificaram tanto a coisa que não mostra nem um terço de todo o sofrimento e a angústia que o livro mostra. No filme o resgate pareceu tão simples... O filme é bonzinho se você não sabe que se trata de algo real e desconhece o que realmente ocorreu nos fatídicos dias 18 e 19 de fevereiro de 1952.
Leia Mais ►

Um Novo Dia Para Amar – Célia Camargo





Quem nunca ouviu da boca de uma criança histórias sobre seus amigos invisíveis ou relatos de experiências vividas em outro período na Terra? Nesta obra, Valéria, diretora de uma escola de crianças e adolescentes, nunca tinha presenciado nada incomum entre eles, quando, de repente, começam a apresentar comportamentos estranhos. Profissional comprometida com o trabalho, Valéria fica desorientada. Ao buscar ajuda, conhece o médico Maurício, que a levará a compreender que apenas conhecimentos pedagógicos e psicológicos não são suficientes para ajudar seus alunos. Paulo Hertz, o autor espiritual, faz parte da Colônia Céu Azul e há tempos trabalha com jovens nos dois planos. Ele nos traz este romance para orientar pais, psicólogos e educadores a lidar com uma nova geração, cuja presença em nosso planeta tem o objetivo de auxiliar a humanidade em seu processo evolutivo. Leitura indispensável para se entender esse processo de transição.




Livros com temática espírita ou psicografados não são parte das minhas leituras habituais, mas decidi que não faria mal ler algo do tipo e realmente foi uma leitura bem enriquecedora e me deixou com vontade de ler mais sobre o assunto, principalmente as obras de Allan Kardec.

Esse livro é contado em terceira pessoa, mas foca especialmente em Valéria, diretora de escola e que começou a notar certos comportamentos e problemas entre os alunos que fugiam ao seu controle e conhecimento.

Ao mesmo tempo em que começava a conhecer o médico Mauricio, um homem que pode ajuda-la a entender o que pode estar acontecendo com seus alunos e como poderia resolver os problemas e ao mesmo tempo aprender como os espíritos podem influenciar de forma positiva ou negativa a vida dos encarnados.

Eu gostei bastante de como a história se desenvolve, como o espiritismo é explicado e ensinado. E como retratou bem como as pessoas podem ser céticas ou crentes nas mesmas situações.

Achei a história muito bem contada e envolvente. Os problemas apresentados foram bem atuais e que os jovens estão sempre sujeitos, gostei principalmente da abordagem sobre as drogas.

A história é principalmente sobre como o amor pode mudar as pessoas e como ele sempre é algo bom. Aqui é dada uma nova chance de recomeçar para uns jovens e eles agarram essa chance e mostram que só precisavam que alguém estendesse a mão.

O romance em si é bem desenvolvido e apesar do final dos casais ser algo esperado não perde seu encanto. Só não me agradou muito as folhas brancas, mas deu para relevar.

Eu recomendo para quem gostaria de saber um pouco sobre a doutrina espírita e sua aplicação prática no dia a dia.


Leia Mais ►

Morte no Buraco Negro e Outros Dilemas Cósmicos




Neil de Grasse Tyson é um dos mais populares e queridos cientistas de todo o mundo porque sabe guiar seus fãs através dos mistérios do universo com clareza e entusiasmo. Reunindo mais de quarenta dos seus ensaios favoritos, Buraco Negro explora uma miríade de tópicos da astronomia. Desde a vida astral nas fronteiras da astrobiologia até como seria estar dentro de um buraco negro – literalmente! Passeando pelos mais diversos temas, Tyson mostra como a indústria cinematográfica retrata a vida extraterrestre ao mesmo tempo que examina a relação entre ciência e religião no contexto de conflitos históricos. Ele também narra a história da progressão do planeta Terra, desde a sua localização no centro do universo até o estado atual: um pequeno e insignificante grão de pó no cosmos. Seus programas na TV e na internet e seus livros fazem muito sucesso porque o mais famoso astrofísico da atualidade é um professor nato que simplifica as complexidades da astrofísica ao partilhar uma visão contagiante pelo universo.


Quando se fala em cosmos sempre me vem a mente o nome do Tyson, afinal ele é um dos discípulos mais aplicados do Sagan e comenda um programa que explica de forma acessível e maravilhosa os segredos conhecidos até hoje do que nos rodeia dentro e fora do planeta Terra.

Nesse livro foram organizados vários artigos publicados pelo Tyson durante os anos de 1995 até 2005. O livro foi dividido em sete seções, A Natureza do Conhecimento, O Conhecimento da Natureza, Maneiras e Meios da Natureza, O Significado da Vida, Quando o Universo se Torna Vilão, Ciência e Cultura e Ciência e Deus, além de contar com um prefácio, um prólogo, referências e índices!!!

As seções são divididas em capítulos em que mesmo sendo cada um terminativo por si só, Tyson organizou seus ensaios de forma que o próximo sempre acrescenta algo ao anterior.

Amei a forma como ele escreve, conseguindo ser muito envolvente e interessante de tal forma que passava horas mergulhada em termos científicos desconhecidos, porque mesmo sendo meu primeiro contato com certos termos, ele desenvolve tão bem seus ensaios que mesmo a pessoa mais leiga no assunto consegue acompanhar.

Foi muito interessante como em diversos momentos fiquei embasbacada com os conhecimentos expostos e como em outros caía na risada pela forma como ele colocava esses conhecimentos em aplicações e situações cotidianas na Terra.

E compreendi o porquê Tyson se tornou esse ícone atual para o entendimento de como o cosmo pode funcionar. Eu amo o estudo da física, matemática e química, então foi um deleite ler esse livro e cada seção me encantou bastante. Mas preciso dizer que a seção 5 (Quando o Universo se Torna Vilão – Todas as maneiras pelas quais o cosmos quer nos matar) foi a que mais gostei!

A edição está linda, a Planeta está de parabéns. A folha amarelada e a diagramação do texto perfeitas para uma leitura prazerosa e nada cansativa.

Recomendo demais esse livro para quem tem curiosidade sobre o que é e o que sabemos até agora sobre o universo.



“Quais são as chances de que essa primeira e única espécie inteligente na história da vida sobre a Terra tenha suficiente capacidade para decifrar completamente como o universo funciona?” p. 17.

“Quais são as lições a serem aprendidas com essa viagem mental? Que os humanos são os mestres emocionalmente frágeis, perenemente bobos, irremediavelmente ignorantes de um ponto insignificantemente pequeno no cosmos.” p. 50.

“...se um alienígena pairar sobre o gramado na frente de sua casa e estender um apêndice como um gesto de cumprimento, atire nele sua bola oito antes de se tornar amistoso demais. Se o apêndice explodir, o alienígena era provavelmente feito de antimatéria. Se não, você pode prosseguir e conduzi-lo até seu líder.” p. 118.

“Incluindo a estação especial e o Super-Homem, poucas coisas na vida viajam mais rápido do que uma bala. Mas nada se move mais rápido que a velocidade da luz no vácuo. Nada.” p. 130.

“...se você juntasse a luz visível de todos os objetos emissores de luz no universo, que cor obteria? Em termos mais simples: qual é a cor do universo? Felizmente, algumas pessoas sem nada melhor para fazer calcularam a resposta dessa questão... e determinaram que o universo é realmente um matiz claro de bege, ou talvez, um café com leite cósmico.” p. 184.

“Dada essa diversidade da vida sobre a Terra, seria de esperar uma diversidade de vida entre os alienígenas de Hollywood. Mas fico sempre espantado com a falta de criatividade da indústria cinematográfica. Com algumas notáveis exceções, como os alienígenas de A bolha assassina (1958), 2001: Uma odisseia no espaço (1968) e Contato (1997), os alienígenas de Hollywood parecem extraordinariamente humanoides.” p. 256.

“Sem dúvida, a maneira mais espetacular de morrer no espaço é cair dentro de um buraco negro. Onde mais no universo alguém pode perder a vida sendo despedaçado átomo por átomo?” p. 317.

“Seria de pensar que, em nossa cultura moderna e esclarecida, o conhecimento popular estaria imune a falsidades que fossem facilmente testáveis. Não está!” p. 329. 



Leia Mais ►

Perfumes de Paris - Sayonara Salvioli




No romance Perfumes de Paris, o luxo e a sedução da belle époque francesa serão o pano de fundo para um amor proibido e envolvente. Junto com os protagonistas, o leitor caminhará pelo Quai des Tuileries e pela Pont Neuf; visitará a catedral de Notre-Dame e se encantará com os Jardins de Luxemburgo. Também será convidado a percorrer outros lugares marcantes da Cidade-luz, como o bairro boêmio de Montmartre e seu glorioso Moulin Rouge. Mas será fora dos círculos de glamour que a protagonista conhecerá o amor. A romântica e – ao mesmo tempo – moderna Charlotte, uma perfumista à frente de seu tempo, encontrará no pintor Pierre o maior sentimento que já conheceu. Porém, o amor chega com uma proibição causada por um antigo segredo. E, logo adiante, o casal enfrentará uma barreira ainda maior e mais severa... Com passagem também pelos canteiros floridos de Grasse – a Capital Mundial do Perfume – e pelos campos de lavanda da região de Provence, Perfumes de Paris apresenta uma história de amor em todas as suas fases: a surpresa, o encanto, o medo, a ameaça, a sensualidade e o êxtase!



"Perfumes de Paris" foi escrito por Sayonara Salvioli, tem 160 páginas, foi publicado pela Primavera Editorial e faz parte da Coleção Amores Proibidos. 

Na obra conhecemos Charlotte, uma perfumista moderna herdeira de todas as propriedades de Armand de Chermont, Marquês du Broc e Conde de Grasse. O livro é o diário de Charlotte e tem como cenário a belle époque francesa.

Pelas características da obra, classifico-a como um romance de época mesclado com romance histórico. Estranho, não?! rsrs. Eu adoro esses gêneros, então, podem imaginar minha ansiedade ao esperar esse livro chegar! Após ler vários comentários positivos sobre a obra, fiquei mais animada ainda e as expectativas em torno da leitura só aumentaram.

Preciso dizer que, infelizmente, me decepcionei com "Perfumes de Paris". De início, tive dificuldade com a escrita: pareceu-me desconexa demais para um livro que narra romances tão intensos. A obra é bem curta e, incrivelmente, tornou-se maçante para mim.

Depois tem a questão de não ter sido cativada por nenhum dos personagens e, também, a falta de desenvolvimento das cenas se tornou uma característica muito marcante.

O que mais me decepcionou foi a previsibilidade da narrativa como um todo. É notável o esforço da autora para que "Perfumes de Paris" fosse um livro que foge dos clichês. 

Entretanto, tal empreitada restou infrutífera, vez que a previsibilidade das cenas e da personalidade de cada personagem se faz bastante presente.

Por fim, preciso dizer sobre a edição. Apesar da capa conter muitos elementos que fazem referência à história de Salvioli, ouso dizer que essa é uma das capas mais visualmente desagradáveis que tenho em minha estante. Não gostei da arte como um todo. Todavia, as páginas estão bem diagramadas, com detalhes leves que condizem com o gênero da obra.

Como sempre digo em minhas resenhas, não deixe de dar uma oportunidade à obra! Experiências de leituras variam de pessoa para pessoa e é isso que faz esse universo literário tão bacana: essa troca de opiniões. O que não funcionou para mim, talvez funcione muito bem para você. Vale ressaltar que há MUITOS comentários positivos sobre a obra na internet. Dá uma olhadinha lá no Skoob! Leia a obra e volte aqui para me contar o que achou! :)




Leia Mais ►

Pseudônimo Mr. Queen - Loraine Pivatto








O ano é 2012. Dia 21 de dezembro. E a temida profecia maia acaba de se cumprir. Cidades devastadas, ruas vazias, apopulação mundial bruscamente reduzida e a história dos sobreviventes começa a ser contada. Os escolhidos iniciam um novo mundo, baseado nas novas regras passadas através dos sonhos. Agora serão 2 vidas: a primeira até os 70 anos, a segunda, a partir dos 20 e até os 100. 150 anos no total. Nenhum segundo a mais. A nova sociedade começa a surgir: sem desigualdade, sem dinheiro, sem doenças, sem possibilidade de mortes prematuras, exceto por uma maneira. Uma única maneira de morrer, mas que não pode ser revelada. Um segredo que precisa ser guardado. Para salvar a sociedade de si mesma.


"Pseudônimo Mr. Queen" é um livro escrito por Loraine Pivatto. A obra conta com 404 páginas e roda o Brasil em forma de Book Tour. 

Antes de iniciar a resenha gostaria de agradecer a autora pelo convite para participar do Book Tour e por toda paciência e educação que ela teve comigo.

A obra se passa no ano de 2012, mais especificamente no dia 21 de dezembro. Recordam-se da profecia Maia para essa data? Pois, então, esse é o nosso cenário: a temida profecia acaba de se cumprir e, como resultado, os personagens deparam-se com cidades devastadas, ruas vazias, população humana mundial reduzida em grande escala e uma nova vida, com um sistema social totalmente diferente.

Agora, serão duas vidas que, no total, somam 150 anos: a primeira até os 70 anos, a segunda, a partir dos 20 e até os 100. Nessa nova sociedade não há desigualdade, doenças, dinheiro e, o mais interessante, não há possibilidade de mortes prematuras exceto por uma única maneira que deve ser mantida como segredo.

Quando recebi o convite para participar do Book Tour, torci o nariz ao ver o título da obra. Soou-me como romance erótico e quem me conhece sabe que tenho pavor desse gênero, portanto, eu já tinha a recusa do convite em mente. A minha sorte é que sempre paro para ler a sinopse e ainda bem que fiz isso! Lembro-me do sorriso que brotou em meu rosto ao me deparar com uma distopia - gênero literário que eu amo - e, desde então, fiquei muito ansiosa pela leitura.

Se você fizer uma rápida pesquisa pelo Skoob, verá que a maioria das pessoas amou esse livro! Isso fez com que as minhas expectativas acerca da história fossem ainda maiores.

Confesso que me decepcionei um pouco com a leitura e é claro que o fato de ter grandes expectativas acerca da história influenciou muito. De início, preciso dizer que as personagens que mais aparecem na trama (Regina, Larissa e Vitória) não me convenceram tampouco me cativaram. Percebi uma certa falta de bagagem nesse âmbito... Muitos pontos da personalidade de cada uma poderiam ter sido melhor explorados com a finalidade de dar ao leitor uma melhor visão da trama como um todo.

Senti, também, que por se tratar de uma distopia, faltou aquela pitada especial de ação, adrenalina e emoção... A trama não me soou original e as cenas não me trouxeram grandes emoções.

Faço das palavras da Dryh, do blog Milkshake de Palavras, as minhas:

"Eu tinha visto TANTA coisa boa sobre o livro em outros blogs, e, se vocês derem uma passada no skoob de Pseudônimo Mr.Queen, verão que a maioria das resenhas dão nota 5 ao livro. Mas eu não consegui gostar tanto assim dele. Senti que faltou ação, faltou personagens mais cativantes, faltou mais... Distopia. Os personagens ficavam confortáveis demais na história, e as cenas de tensão ou ação são pouquíssimas, e algumas coisas na história ficaram meio perdidas, algumas cenas foram desnecessárias e mataram a minha vontade de prosseguir com a leitura.

Mas eu gostei da ideia da Loraine, e do mistério todo envolvendo o Mr. Queen, mas o final deixou a desejar. Achei que ficou muito felizes para sempre, não combinou muito com a proposta do livro, eu imaginei que seria algo mais impactante, para marcar o leitor mesmo. E os romances me pareceram mornos demais, como se tivessem surgido do nada e atrapalhassem a história, um pano de fundo apenas."

O fato de não ter sido uma ótima leitura para mim não deve influenciar que você dê uma chance à obra! Afinal, trata-se de um livro muito bem aclamado pelo público. Sem contar que o livro possui sim com elementos muito bons: o mistério acerca de Mr. Queen é inigualável! A forma de divulgação (book tour) escolhida pela autora é bem bacana e sinto que o livro carrega um pouquinho da história de cada leitor consigo.


Leia Mais ►

Novidades: Editora Arqueiro



Há quem diga que o feiticeiro mais poderoso de todos os tempos é um homem chamado Gavião. Este livro narra as aventuras de Ged, o menino que um dia se tornará essa lenda. Ainda pequeno, o pastor órfão de mãe descobriu seus poderes e foi para uma escola de magos. Porém, deslumbrado com tudo o que a magia podia lhe proporcionar, Ged foi logo dominado pelo orgulho e a impaciência e, sem querer, libertou um grande mal, um monstro assustador que o levou a uma cruzada mortal pelos mares solitários. Publicado originalmente em 1968, O feiticeiro de Terramar se tornou um clássico da literatura de fantasia. Ged é um predecessor em magia e rebeldia de Harry Potter. E Ursula K. Le Guin é uma referência para escritores do gênero como Patrick Rothfuss, Joe Abercrombie e Neil Gaiman.





Isabel Townsend não é exatamente o que se espera da filha de um conde. Apesar de ter a pele delicada e de saber se portar como uma dama quando necessário, a jovem também monta a cavalo, conserta telhados, administra a propriedade e cria o irmão caçula desde que a mãe faleceu – tudo isso sem despertar a menor suspeita de que não há um homem sequer para cuidar de sua família. Para o pai dela, que só queria se divertir e gastar dinheiro em jogatinas, pouco importava o que ela fizesse. Porém, quando ele morre, Isabel se vê sem recursos e precisa defender os direitos do irmão, ameaçados pela chegada iminente de um tutor. Assim, não lhe resta saída senão vender sua coleção de estátuas de mármore, o único bem que herdou. Para sorte sua, um especialista em antiguidades acaba de chegar ao condado. Inteligente e sensual, lorde Nicholas St. John é um solteiro convicto que deixou Londres para se livrar das jovens que passaram a persegui-lo desde que foi eleito um dos melhores partidos da cidade. Em poucos dias, fica claro para Nick que Isabel é a mulher mais obstinada e misteriosa – além da mais interessante – que já cruzou seu caminho. Ao mesmo tempo, ao conhecê-lo melhor, a independente Isabel percebe que há homens em que vale a pena confiar. Enquanto eles põem de lado suas antigas convicções, seus corações se abrem para dar uma chance ao amor.






Na época da faculdade, Myron Bolitar teve seu primeiro relacionamento sério, que terminou de forma dolorosa quando a namorada o trocou por seu maior adversário no basquete. Por isso, a última pessoa no mundo que Myron deseja rever é Emily Downing. Assim, ele tem uma grande surpresa quando, anos depois, ela aparece suplicando ajuda. Seu filho de 13 anos, Jeremy, está morrendo e precisa de um transplante de medula óssea – de um doador que sumiu sem deixar vestígios. E a revelação seguinte é ainda mais impactante: Myron é o pai do garoto. Aturdido com a notícia, Myron dá início a uma busca pelo doador. Encontrá-lo, contudo, significa desvendar um mistério sombrio que envolve uma família inescrupulosa, uma série de sequestros e um jornalista em desgraça. Nesse jogo de verdades dolorosas, Myron terá que descobrir uma forma de não perder o filho com quem sequer teve a chance de conviver. 





Mase sempre preferiu a vida simples em seu rancho no Texas à agitação do mundo do pai em Rosemary Beach. Na verdade, ele quase nunca visita o famoso astro do rock e Nan, sua meia-irmã mimada e egoísta. Mas tudo muda quando conhece uma das empregadas da casa, uma garota linda que, sem saber da presença dele, o desperta com seu canto desafinado. Depois de anos sendo maltratada pela família e pelos colegas por causa de um distúrbio de aprendizagem, Reese conquistou sua liberdade e mora sozinha trabalhando como diarista para as famílias ricas da cidade. No entanto, seu sustento fica ameaçado quando ela causa um acidente na casa de Nan Dillon. Ao ser salva por Mase, um rapaz atencioso e com charme de caubói, Reese fica surpresa pelo gesto dele e, depois, apavorada quando ele demonstra interesse nela. Nunca na vida Reese conheceu um homem em quem pudesse confiar. Será que Mase pode ser diferente? Nessa ardente paixão que nasce entre a doce e batalhadora Reese e o centrado e sexy Mase, Abbi Glines mais uma vez mescla tristezas da vida real com amores de contos de fada e nos faz suspirar até a última página.
Leia Mais ►